Arquivos para categoria: Notas

Exatamente isso amigos. WordPress free foi ótimo enquanto pude aprender a usá-lo, mas já faz algum tempo que tenho meu próprio site e não disponibiliza como blog, apenas exibia as formas de contato e portfólio. Agradeço a todos que visitaram o blog nem que tenha sido por uma única vez e fico lisonjeado pelos que tiveram paciência em voltar. Pois bem, agora o endereço que vocês devem aparecer é esse:

www.itallovictor.com

Pra quem quiser primeiro ler sobre o que falo pode seguir no twitter: @itallo

Mensagens nas cavernas, mensageiros, jornais, telégrafos, televisão, computador, web, redes sociais, iPad. Muito bacana o infográfico que passeia pela história da humanidade para lembrar o passado, o presente e o futuro da criação e distribuição de conteúdo, postado por Tatiana de Mello Dias no blog Link do Estadão:

Leia o resto deste post »

James Mollison lançou um livro fotos de uma pergunta que algumas pessoas conscientes já tenham feitas a si.  Nada muito complicado de imaginar, mas ao ver o resultado do livro Where children sleep (Onde as crianças dormem), que mostra fotos de crianças em todo mundo e os quartos nos quais dormem. Por tabela acaba retratando um pouco do local, cultura e histórias por onde passou através das crianças. Impressionante.

Leia o resto deste post »

Prashant Suryakumar sugeriu algumas ideias no site Mashable, que podem facilitar a análise deste panorama. Confira abaixo:

  • Investir em Informação

Segundo o autor, é imperativo que as organizações tenham boas ferramentas de monitoramento e, ainda, que estas possam ser facilmente integradas aos processos da empresa. Segundo ele, só desta forma é possível ter uma visão 360º – unindo dados tanto do mundo on-line como do mundo off-line.

  • Monitoramento em Tempo Real

A informação em tempo real possibilita resposta rápida a qualquer contingência. As redes sociais exigem que isso seja feito, pois caso contrário, a conversa se perde e você adquire um consumidor insatisfeito. Além disso, a informação em tempo real torna possível verificar o desempenho das diversas ferramentas e das pessoas que fazem uso delas.

  • Análise Emocional

Entende-se análise emocional como a compreensão de que o consumidor toma decisões de compra considerando aspectos não somente racionais, mas também psciológicos e emocionais. Em termos práticos, podemos entender esta análise como a percepção do contexto em que se passa uma conversa, e não somente em seu conteúdo.

  • Novas Métricas

Cada empresa possui necessidades distintas, mas três categorias precisam ser contempladas com métricas eficazes. São elas:métricas que ajudem a compreender a conversa e suas relações (ex.: sentimentos demonstrados), métricas que encontrem pessoas influentes acerca da sua marca (ex.:pontuação de influência) e métricas que demonstrem o real resultado das mídias sociais no negócio.

  • Relacionar Buzz, Marca e Vendas

Pois estas variáveis estão intrinsecamente relacionadas e, freqüentemente, é possível observar relações de causa e efeito entre elas.Testar Mecanismos
O ambiente das mídias sociais é bastante propício para experimentos que podem responder perguntas como “Qual o melhor horário para postar atualizações” ou “Como o buzz influencia este mercado?”.

  • Comportamento de massas

Uma das possibilidades mais incríveis das mídias sociais consiste em poder observar comportamentos e conversas de pessoas em seu ambiente natural. Ou seja, sem o estímulo de pesquisa (que geralmente foca a resposta a uma pergunta, e não o que o consumidor realmente pensa) e sem interferências no discurso. Se um consumidor falar bem da sua marca, é porque ele teve interesse espontâneo em fazê-lo. Explore esta oportunidade de aprender.

  • Design de Produtos

Afinal, a facilidade de comunicação através das mídias sociais não deve ser desperdiçada. Converse com seu consumidor e o que ele pensa do seu produto. Em alguns casos até, pense em produto em conjunto com ele – a colaboração costuma obter resultados espantosos.

Via: Mashable

Eu me encaixo na Geração Y e essa notícia fala da Geração Z, daí me pergunto: E os meus filhos? Geração AA, A1, Alfa? E até onde vai o alcance dessa nova turma que me faz achar que sou mais esperto que meus pais e mais leigo que eles que tem uma diferença de idade que não chega a década. João Montanaro é um exemplo do que já acontece hoje e que vai levar muitos futuros pais a pensar como inovar em ensinar seus filhos a estarem prontos cada vez mais cedo. Confere a matéria.

João Montanaro tem apenas 14 anos e há dois trabalha como chargista no maior jornal de circulação nacional do país, a “Folha de S. Paulo”. Neste ano, lançou um livro com charges, tirinhas e quadrinhos. Para se inspirar, ele fuça em blogs de cultura e de outros ilustradores. Ele se desconecta somente durante o processo de criação. “Sento longe do computador para ter as ideias, mas, na hora de desenhar, ouço música, o celular pode tocar…”.

A internet como forma de informação e essa facilidade de fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo tornam o garoto a cara de uma geração que começou a fazer história na primeira década desse milênio e continuará dando sua cara nos próximos dez anos. Ele, assim como os demais jovens com menos de 17 anos, faz parte da geração denominada Z, que compreende os nascidos entre 1993 e 2009 – período marcado pelo surgimento da internet e pelo “boom” de aparelhos tecnológicos (celulares, smartphones, computadores, notebooks etc.).

Esse Z pode ser lido como “zapear”, porque os “nativos digitais” cresceram num mundo conectado e, por isso, têm uma grande facilidade de transitar por diferentes canais de comunicação (televisão, internet, celular, mp3 players etc.).

Essa realidade é muitas vezes mal compreendida pelas gerações anteriores – baby boomers (entre 50 e 69 anos), X (entre 30 e 49 anos) e Y (de 18 a 29 anos). “Essas crianças e adolescentes vivem conectados à internet e os pais, muitas vezes, acham que eles deviam estar na rua, brincando, convivendo com outros jovens, mas a vida hoje é vivida de outra forma”, diz a psicóloga Patrícia Alvarenga, coordenadora dos cursos de tecnologia em recursos humanos e processos gerenciais da UNA, em Belo Horizonte, e estudiosa da geração Z. “A interação virtual é uma realidade e os pais precisam entender isso”.

De acordo com Patrícia, ao mesmo tempo em que a interação virtual é uma realidade e deve ser compreendia, ela dificulta a forma como os “nativos digitais” lidam com os conflitos. “Como a principal forma de contato é a internet, numa briga pelo MSN, você simplesmente fica off line, e o conflito permanece latente”, explica.

Autodidatas. Esse “excesso” de tecnologia, por outro lado, tornará esses jovens profissionais multifuncionais e com raciocínio rápido. Apesar de preparados para o mercado de trabalho, a agilidade da geração Z aliada a uma forte tendência autodidata (estimulada pela internet e pelo mundo de informação que ela oferece) afastará os jovens Z dos bancos das universidades.
“Essa geração é desconfiada com os estudos. Eles têm raciocínio muito rápido e não querem estudar a longo prazo. Em 2020, deve haver uma escassez de cientistas, por exemplo, que precisam estudar durante um longo período”, diz Patrícia.

João Montanaro define bem essa desconfiança com os estudos. “Faculdade está difícil, já não é mais como antigamente. Na área em que trabalho, o jornalismo não precisa mais de diploma, e a publicidade já morreu. Prefiro ser autodidata”, resume.


Pra conferir a matéria completa clica no link abaixo.

Fonte: O Tempo

“CityVille”, o simulador de cidades virtuais da Zynga na rede social Facebook, já dava sinais de que seria um grande sucesso, e agora em menos de um mês de existência já conseguiu destronar “FarmVille” como o jogo mais utilizado do site de relacionamento, com mais de 60 milhões de usuários.

De acordo com o site de análise Inside Social Games, o aplicativo levou um total de 22 dias para atingir o número de 60 milhões de usuários, contra a média de 56 milhões de “FarmVille”, o outro único game da rede social a apresentar um número tão alto de pessoas cadastradas.

De acordo com o site, “CityVille” pode ultrapassar a marca de 84 milhões, atingido por “FarmVille”, antes mesmo do Ano Novo. “CityVille” já dava sinais de sua força em suas primeiras 24 horas, batendo recorde de 290 mil usuários, e apenas em uma semana, mais de seis milhões de pessoas cadastradas. Nesta segunda-feira (27), o site AppData apontou que o game tem atualmente quase 70 milhões de usuários.

O sucesso meteórico de “CityVille” é atribuído ao fato de estar disponível em vários idiomas – inglês, alemão, francês, espanhol e italiano – e uma forte campanha de publicidade, como anúncios do novo título em jogos já existentes da empresa.

A produtora Zynga é conhecida por jogos sociais de sucesso como “FarmVille” – que, recentemente ganhou uma versão em chinês – e “FrontierVille”.

Municípios do estado do Piauí serão integrados digitalmente. Um convênio firmado entre o governo local, o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e as Telecomunicações Brasileiras (Telebrás) possibilitará a implantação de uma rede de banda larga em 43 cidades piauienses, o Piauí Digital.

O acordo para implementação do projeto foi assinado nesta quarta-feira, 15/12, em Brasília, pelo ministro Sergio Rezende e pelo governador do Piauí, Wilson Nunes Martins. O valor total do projeto é de R$ 30 milhões. Desse montante, R$ 25 milhões serão custeados pelo governo federal, por meio do MCT. O restante será de contrapartida do próprio governo daquele estado.

De acordo com o governador Wilson Martins, o início da interligação dos municípios vai começar pela Grande Teresina, que reúne 13 cidades. “Vamos levar banda larga para todos os municípios do Estado. Vamos fazer uma revolução na informação”, enfatiza o governador. Para Wilson, o Piauí Digital vai proporcionar o desenvolvimento de áreas cruciais como da administração pública, saúde e segurança. Ele disse que na educação, por exemplo, o projeto permitirá a criação da Universidade Aberta do Brasil (UAB) em várias cidades do estado.

O governador considerou ainda um marco para o Piauí uma ação do governo estadual para a inclusão social com base na tecnologia. Martins reconheceu também que a assinatura é um ato importante para seu governo. “Hoje, estou assinando o primeiro convênio novo na gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os demais que participei foram apenas prorrogações de contratos já existentes. É uma felicidade para todos nós do estado do Piauí”, relatou.

Além de dispor de uma contrapartida em valores monetários, o Piauí terá que prestar contas ao Ministério da Ciência e Tecnologia durante a execução da proposta. Os recursos para a execução do projeto que tem por objetivo a implantação de infraestrutura de conexão para convergência social e cidade digital já estão disponíveis.

E aí, será que isso vai acontecer, eu duvido e vocês?

Fonte: Convergência digital